Opiniões

O holocausto dos servidores públicos

Nunca no Brasil democrático uma conjugação governamental se apresentou tão ameaçadora aos servidores públicos – e porque não dizer à sociedade -, como a iniciada em 1º de janeiro de 2019. Nela, a União e a maioria dos estados conjugam do mesmo mantra: A crise econômica do país, estados e municípios chegou à beira do colapso por culpa dos privilégios, vantagens e benefícios diversos, concedidos ao funcionalismo. E para combater essa “praga” o liberalismo econômico é apresentado como a solução para todos os problemas, com direito a um uníssono grito de guerra entre seus integrantes (governantes, políticos, empresários e grande imprensa): REFORMAS JÁ.

Óbvio que a trabalhista e a previdenciária. Jamais a tributária, capaz de gerar emprego e renda, fomentando a economia. Nem a política, vital para a moralização de uma categoria cada vez mais desacreditada, vista como usurpadora (corrupção) dos recursos públicos. Assegurados os interesses dos protegidos pelo capitalismo impiedoso, a nova conjugação político-governamental-privatista tem pressa em executar seus planos contra o funcionalismo público. Algo típico da velha prática política de que o mal deve ser feito rapidamente e que o bem deve ser realizado aos poucos, morosamente.

Mas engana-se quem pensa que não haverá exceções. Teremos, e muitas. O alvo da cruzada dos ditos liberais é apenas e tão somente os servidores do Executivo. Os demais, vinculados ao Judiciário e ao Legislativo, baseados na independência constitucional assegurada aos dois poderes, continuarão habitando o oásis financeiro do erário e recebendo tratamento diferenciado dos chamados “primos pobres” do funcionalismo.

Aos servidores privilegiados são criados novos benefícios, especialmente para suas cúpulas diretivas, pagas vantagens retroativas e depositados salários corrigidos e em dia. Enquanto isso, os servidores do Executivo minguam econômica e psicologicamente com o congelamento e parcelamento de seus salários, pela supressão de conquistas e constante ameaça aos seu direitos trabalhistas. Mas o pior mesmo é a implacável campanha de desvalorização das suas importâncias enquanto responsáveis diretos pela prestação de serviços públicos essenciais, como educação, saúde e segurança.

Como se não bastasse o vergonhoso e injusto lixamento promovido pelo conluio entre governantes, políticos e empresários/banqueiros (incluindo os grandes grupos de comunicação), creditando ao funcionalismo público a culpa por todas as mazelas do país, estados e municípios, é sonegado à população informações importantes, tais como: o servidor público só ingressa na função mediante concurso público; precisa obrigatoriamente atuar com dedicação exclusiva ao órgão ao qual está vinculado; possui atribuições (direitos e deveres) definidas em seu contrato de trabalho; não pode fazer greve, mesmo quando a lei que os beneficia é descumprida, como acontece com o pagamento do piso salarial do magistério; está sujeito a sobrecarga de trabalho e de responsabilidades por ter que suprir deficiências de efetivo ou por atuar em condições de trabalho inadequadas; e muito mais.

Vitimados pela onda tsunâmica do privatismo, propagada enganosamente como a melhor alternativa para substituir o Estado, o funcionalismo público vagueia como um degradado que à noite sonha com o passado de respeito e admiração de outrora, do tempo em que pensar no bem estar social e não no lucro representava motivo de orgulho e honra. Hoje, com o sindicalismo propositadamente empobrecido e com a oposição estigmatizada e combalida, cabe aos servidores públicos torcerem para que a minoria dos homens públicos verdadeiramente vocacionados para a prática da cidadania consiga evitar que a dramática situação dos servidores públicos se transforme em tragédia.


(*) Sérgio Araújo é jornalista e colunista do site Sul21. Texto reproduzido com autorização do editor.

Manchete

Mas o pior mesmo é a implacável campanha de desvalorização das suas importâncias


Postado

4.fevereiro | 2019 | Sérgio Araújo


Imprimir


Compartilhar


O princípio que rege a publicação de artigos nesta seção Opiniões é o da plena liberdade de expressão dos professores, de forma a garantir um canal que expresse a pluralidade ideológica dos filiados à Apufsc-Sindical. Fica claro que as opiniões expressas nos textos são de responsabilidade exclusiva de seus autores, e que a entidade e sua diretoria não se responsabilizam pelo conteúdo. Eventuais consequências decorrentes da violação da lei ou da imagem de pessoas citadas nos textos, bem como casos de calúnia, difamação ou injúria, serão assumidas exclusivamente pelos autores que os subscreveram.

Filiar-se

Newsletter

(48) 99944.0103 (WhatsApp)
(48) 3234.2844 e 3234.5216 (Max & Flora)
(48) 3721.9425 e 3234.3187 (Campus Trindade)
(47) 3027.7992 (Joinville)
(49) 3241.4181 (Curitibanos)
(48) 3524.0228 (Araranguá)
(47) 3234.1866 (Blumenau)

 

© APUFSC Sindical

Designed & Created by: Hupx Tecnologia Powered by: Dynamicweb