Opiniões

Por que o Brasil deveria mudar sua Embaixada em Israel para Jerusalém?

O conflito entre Israel e Palestina está entre os mais desafiadores da atualidade. A migração judaica para esse pequeno território, correspondente a um quarto do estado de Santa Catarina, iniciou de modo sistemático no início do século XX. A perseguição aos judeus na Europa, a partir da ascensão de Hitler ao poder na Alemanha em 1933, intensificou esse processo. Os embates por terra e recursos com a população árabe local não tardaram a começar. Em 1947, a ONU, em reunião presidida pelo representante brasileiro Oswaldo Aranha, aprovou um plano de partilha para a Palestina, em que os 700 mil judeus residentes ficariam com 53% do território e a população árabe, de 1 milhão e 400 mil pessoas à época, ficaria com 47%. Com as sucessivas anexações, hoje o Estado de Israel corresponde a 80% do território, bem mais do que a previsão legal. Confrontos militares entre Israel e a população árabe da Palestina, apoiada pelos Estados vizinhos, são frequentes e já ceifaram milhares de vidas, chegando a aproximadamente 2 mil pessoas assassinadas por ano atualmente, além  de feridos e deslocados.

Israel tem sua capital em Tel Aviv, e a Palestina em Ramallah. Jerusalém é uma cidade disputada pelos dois povos, e desde 1947 a ONU reconhece que sua administração precisará ser negociada pelas partes. Em 1980 e em 2017 essa posição foi reafirmada pela Assembleia Geral da ONU, que considera nulas quaisquer tentativas de alteração no estatuto especial de Jerusalém. A mudança da Embaixada brasileira de Tel Aviv para Jerusalém não contribuirá para o processo de paz. Ao contrário, deverá aumentar as tensões e a violência no Oriente Médio e trazer consequências negativas para o Brasil em termos de segurança e comércio.

Países árabes que costumam apoiar a Palestina, como Egito, Iraque e Arábia Saudita, são compradores importantes de produtos agrícolas brasileiros, sobretudo carne e açúcar. Em 2017, essas trocas bateram recorde, chegando a mais de 13 bilhões de dólares. O Brasil é superavitário nessa relação, sendo que apenas os Estados árabes foram responsáveis por 10% do total do saldo positivo da balança comercial brasileira no ano passado. Assim que o Egito soube da intenção do novo governo brasileiro de mudar sua Embaixada, cancelou a recepção de uma delegação brasileira composta por diplomatas e empresários e chefiada pelo Ministro de Relações Exteriores. Essa é uma pequena amostra dos potenciais efeitos comerciais danosos para o Brasil dessa decisão.

Ademais, o apoio formal a Israel tem o potencial de incluir o Brasil na lista de países alvo de atentados terroristas, uma vez que nos indisporia com todos aqueles que apoiam a causa Palestina no Oriente Médio e no mundo muçulmano, algo de que a neutralidade histórica nos resguardou até agora. Fazê-lo seria ideologizar a política externa brasileira, incluindo o país em um dos maiores tensionamentos internacionais desde o final da Segunda Guerra Mundial, cujas proporções seriam imensuráveis. Não sendo hoje alvo do terrorismo, não temos legislação, aparato de segurança e tampouco treinamento de forças policiais ou militares para seu efetivo combate. Se nem mesmo os Estados Unidos, maior potência militar da história, conseguem o combate efetivo às ameaças assimétricas, não se pode esperar um resultado bem-sucedido caso nos tornemos alvo direto de grupos fundamentalistas. E o risco seria imediato, devido à forma descentralizada de operação dos ataques terroristas contemporâneos.

O Brasil mantém relações diplomáticas com Israel desde 1947, e com a Palestina desde 1975, sendo que ambos possuem representações em Brasília. A posição histórica do Brasil em sua política externa é de se manter neutro no conflito palestino-israelense. O apoio à criação do Estado da Palestina é fruto não do apoio a um dos lados, mas de uma construção multilateral internacional de apoio à solução de dois Estados, visão endossada por praticamente todos os membros da ONU – à exceção dos Estados Unidos e de Israel. Considerando a condenação formal da ONU em 2017 ao anúncio da mudança da Embaixada dos Estados Unidos para Jerusalém, pode-se prever o mesmo no caso do Brasil. Isso poderia levar a um significativo isolamento brasileiro em meio à comunidade internacional com efeitos negativos para o país.


Clarissa Dri, Daniel Castelan e Lucas Pereira Rezende
Professores do Departamento de Economia e Relações Internacionais da Universidade Federal de Santa Catarina
 

Manchete

O Brasil mantém relações diplomáticas com Israel desde 1947, e com a Palestina desde 1975, sendo que ambos possuem representações em Brasília. A posição histórica do Brasil em sua política externa é de se manter neutro no conflito palestino-israelense


Postado

27.novembro | 2018 | Clarissa Dri, Daniel Castelan e Lucas Pereira Rezende


Tags

artigo; opinião


Imprimir


Compartilhar


O princípio que rege a publicação de artigos nesta seção Opiniões é o da plena liberdade de expressão dos professores, de forma a garantir um canal que expresse a pluralidade ideológica dos filiados à Apufsc-Sindical. Fica claro que as opiniões expressas nos textos são de responsabilidade exclusiva de seus autores, e que a entidade e sua diretoria não se responsabilizam pelo conteúdo. Eventuais consequências decorrentes da violação da lei ou da imagem de pessoas citadas nos textos, bem como casos de calúnia, difamação ou injúria, serão assumidas exclusivamente pelos autores que os subscreveram.

Filiar-se

Newsletter

(48) 99944.0103 (WhatsApp)
(48) 3234.2844 e 3234.5216 (Max & Flora)
(48) 3721.9425 e 3234.3187 (Campus Trindade)
(47) 99925-1735 (Joinville)
(49) 3241.4181 (Curitibanos)
(48) 3524.0228 (Araranguá)
(47) 3234.1866 (Blumenau)

 

© APUFSC Sindical

Designed & Created by: Hupx Tecnologia Powered by: Dynamicweb