Opiniões

A hora chega

Para todos aqueles (cada vez mais escassos) que ainda amam a leitura

Para Clarice (minha filha) e Tomás – que sejam iluminados em praga, na terra de Fanz Kafka

“Último antídoto do nada/entre as peçonhas da vida/coisa por sorte encontrada/e por desgraça perdida,/amor lega, em sua ausência,/um lembrete à consciência/se ela por acaso esqueceu:
nada que te pertence é teu”(…)

“Uma vida inteira passada/dentro dos confins de um corpo/junto ao qual vem atrelada/ a consciência, peso morto/que acusa o golpe sofrido/e cochicha ao pé do ouvido/depois que o fato se deu: nada que te pertence é teu”.

(Paulo Henriques Britto ¬ “Nenhum Mistério”

Sim. Sempre chega a Hora.

Quando, cedo, fazes a barba,, colocando a gravata, no trânsito caótico de todos os dias e, sem aviso, o enfarte fulminante. Para os grandes, para os pequenos.

Ou em um câncer longo – tão dolorido.

Tomas um cafezinho no bar do aeroporto e, claro, não sabes que o avião irá cair.

Explosão , sempre o fogo, a fumaça, todos mortos, lágrimas.

E o tempo passa, tudo é esquecido – não para as famílias.

Quando a parteira te tira da barriga da mãe, começa “o ser para a morte”.

Não há truques, arranjos. É isso.

E exatamente neste momento, neste dia que nasce, após  a madrugada  inteiramente insone – a “cabeça viajando” para mil mundos ( e não temos o controle de nada–nada), um pássaro canta na árvore em frente Eu sei: há mar, mãe, pai, companheira, pão quente, amora, pitanga.

Vale a vida.

E, apesar de tudo, é um  novo dia.

Escrevi: “e não temos o controle de nada-nada”. E pensamos que temos. Nem das nossas vidas e, é claro, nem da dos outros”.

(E  Caronte, o Barqueiro, carrega as almas dos  recém-mortos.

É o seu ofício.

Ele coloca uma moeda sobre a boca dos cadáveres.

Jovem, eu pensava que fossem duas moedas nos olhos. Mitologias diferentes?

E segue o rio.)

Eu sei: não só isso.

Nada de queixas ou autopiedade: ¬ lembro-me do Evangelho de São Lucas (Capítulo 12, Versículo 48):  (…) “Porque a quem muito foi dado, muito será cobrado. Quanto mais se confiar a alguém, dele há mais se há de exigir”.

Também me recordo de Soren Kierkegaard (1813-1855), o grande filósofo, teólogo, poeta e crítico social dinamarquês, considerado  o primeiro filósofo existencialista  (e que, junto com Albert Camus, tanto  influenciou minha geração.).

Não, não citarei nada de complexo do profundo pensador – apenas: “Amor é o que tem sabor de eternidade”.

Tão simples – tão verdadeiro.

A hora chega!

Mas, nesse trânsito, é possível fazer algo. A obra fica.

Charles Aznavour (1924-2018) tinha uma canção (“Hier Encore”) que dizia: “Ainda ontem tinha 20 anos, acariciava o tempo, joguei com a vida como se joga com o amor.”

 


Emanuel Medeiros Viera
Escritor

Postado

25.outubro | 2018 | Emanuel Medeiros Vieira


Tags

artigo; opinião


Imprimir


Compartilhar


13.novembro.2018 - 15:30

Beleza, Emanuel. Gostei muito desta tua bela reflexão, na página da APUFSC. Poesias e lamentos, dores e alegrias, tristezas e saudades, mas da vida de todos nós... Saúde e alegria. Com abraços do, Geronimo W. MACHADO. Fpolis (SC) BR>

- Geronimo W. MACHADO

O princípio que rege a publicação de artigos nesta seção Opiniões é o da plena liberdade de expressão dos professores, de forma a garantir um canal que expresse a pluralidade ideológica dos filiados à Apufsc-Sindical. Fica claro que as opiniões expressas nos textos são de responsabilidade exclusiva de seus autores, e que a entidade e sua diretoria não se responsabilizam pelo conteúdo. Eventuais consequências decorrentes da violação da lei ou da imagem de pessoas citadas nos textos, bem como casos de calúnia, difamação ou injúria, serão assumidas exclusivamente pelos autores que os subscreveram.

Filiar-se

Newsletter

(48) 99944.0103 (WhatsApp)
(48) 3234.2844 e 3234.5216 (Max & Flora)
(48) 3721.9425 e 3234.3187 (Campus Trindade)
(47) 3027.7992 (Joinville)
(49) 3241.4181 (Curitibanos)
(48) 3524.0228 (Araranguá)
(47) 3234.1866 (Blumenau)

 

© APUFSC Sindical

Designed & Created by: Hupx Tecnologia Powered by: Dynamicweb