Notícias

Com 40% da verba de 2014, universidades podem extinguir até serviços de saúde

Formada por 63 universidades e seus 320 campi espalhados pelo País, a rede federal de ensino superior forma mão de obra altamente qualificada. E de seus laboratórios saem mais da metade de toda a pesquisa científica produzida no País. Essas instituições oferecem ainda serviços diretos à sociedade, como o atendimento à saúde por meio de clínicas e hospitais universitários. Em muitas localidades, esses equipamentos são os únicos com os quais a população pode contar.

Iniciada no primeiro governo de Luiz Inácio Lula da Silva e com muitas obras ainda em andamento, a expansão do sistema federal dobrou o número de vagas, reduziu a desigualdade no ingresso à universidade pública e ajudou a elevar o nível da produção científica brasileira, com mais vagas na pós-graduação acompanhadas de mais recursos.

Em meio à consolidação da expansão, porém, as universidades tiveram seu orçamento minguado a partir de 2014. De lá para cá, houve perdas de 50% dos recursos de capital (para obras e compra de equipamentos) e de 20% dos recursos de custeio, sem contar a inflação do período. “Há instituições que nem recebendo 100%  do orçamento de 2017 terão condições de honrar todos os seus compromissos. Isso porque se trata de um orçamento menor quando comparado ao do ano anterior”, afirma o reitor da Universidade Federal do Pará (UFPA), Emmanuel Zagury Tourinho, em entrevista à RBA.

Eleito novo presidente da Associação Nacional dos Dirigentes das Instituições Federais de Ensino Superior (Andifes) em 28 de julho, Tourinho conclama a sociedade a se juntar à comunidade acadêmica na luta em defesa das universidades federais. “Nós gostaríamos de sensibilizar a todos para a importância disso, porque a população vai ser surpreendida lá na frente, quando perceber que essas instituições, fundamentais, não têm mais a capacidade que deveriam ter para atender às suas demandas.”

Confira os principais trechos da entrevista: Rede Brasil Atual

Leia mais:

Cortes do governo ameaçam bolsas de 90 mil pesquisadores


Fiocruz divulga ofício sobre suspensão das bolsas do CNPq

Cortes em CT&I fazem parte da miopia na política econômica do País, avalia ex-ministro

Afetadas pela crise, universidades poderão vir a contar com fundos patrimoniais

MCTIC garante pagamento de bolsas do CNPq até setembro

Para reitores, cortes vão inviabilizar universidades

Crise força o fim do injusto ensino superior gratuito
 

 
 

Manchete

Responsáveis por mais da metade da pesquisa científica do País, universidades federais fecham laboratórios e cursos. Em entrevista à Rede Brasil Atual, o presidente da Andifes, Emmanuel Zagury Tourinho, fala sobre a situação dessas instituições no Brasil


Postado

7.agosto | 2017


Tags

universidades. orçamento; cortes. pesquisa; educação; crise


Imprimir


Compartilhar


Comentário

Captcha

Filiar-se

Newsletter

(48) 99944.0103 (WhatsApp)
(48) 3234.2844 e 3234.5216 (Max & Flora)
(48) 3721.9425 e 3234.3187 (Campus Trindade)
(47) 3027.7992 (Joinville)
(49) 3241.4181 (Curitibanos)
(48) 3524.0228 (Araranguá)

© APUFSC Sindical

Designed & Created by: Hupx Tecnologia Powered by: Dynamicweb