Jurídico

Professores que recebem abono de permanência e a reforma da Previdência

Os professores que já cumpriram todos os requisitos para aposentadoria e seguem trabalhando, percebendo o abono de permanência, via de regra, não devem ser alcançados pela reforma da previdência.

Isso porque, em se tratando de aposentadoria, vale a premissa de que incidem as regras do momento em que o servidor preencheu os requisitos para aposentadoria, nos termos da Súmula nº 359 do C. STF, in verbis:

"Súmula 359 - Ressalvada a revisão prevista em lei, os proventos da inatividade regulam-se pela lei vigente ao tempo em que o militar, ou o servidor civil, reuniu os requisitos necessários".

Todavia, diante das incertezas do cenário político-econômico atual, trata-se de opção pessoal do professor decidir o momento de inativar-se, não havendo como se assegurar – de forma absoluta – que a reforma da previdência não os alcançará de maneira alguma.

Já houve situações pretéritas – como a taxação dos inativos, por exemplo – em que se imaginou que os servidores estavam respaldados pelo direito adquirido, e mesmo assim o Supremo Tribunal Federal, em decisão que surpreendeu a todos à época, considerou constitucional a cobrança de contribuição previdenciária dos inativos.

Assim, os professores que se encontram nessa situação devem avaliar, com cautela, qual a melhor opção a adotar.

 Texto:  Assessoria Jurídica da Apufsc
 

Manchete

Os professores que se encontram nessa situação devem avaliar, com cautela, qual a melhor opção a adotar


Postado

9.agosto | 2017


Tags

abono permanência; aposentadoria; professores; reforma da previdência


Imprimir


Compartilhar


Comentário

Captcha

Filiar-se

Newsletter

(48) 99944.0103 (WhatsApp)
(48) 3234.2844 e 3234.5216 (Max & Flora)
(48) 3721.9425 e 3234.3187 (Campus Trindade)
(47) 3027.7992 (Joinville)
(49) 3241.4181 (Curitibanos)
(48) 3524.0228 (Araranguá)

© APUFSC Sindical

Designed & Created by: Hupx Tecnologia Powered by: Dynamicweb