Artigos

Darcy Ribeiro

 “Fracassei em tudo o que fiz. Quis uma escola para os índios, e fracassei. Quis um país mais justo, e fracassei. Quis fundar uma universidade de qualidade e fracassei. Mas meus fracassos são minhas vitórias. Não estaria de estar no lugar dos vencedores.” Darcy Ribeiro (1922-1997)

Internalizando fundamente o denso e tocante inventário do mestre Darcy, fico pensando o que significam “sucesso” e “fracasso”.

É claro que eu e muitos amigos da minha geração (ou de anteriores ou posteriores) não gostariam de estar do lado desses vencedores.

Não monumentalizando minha geração (segmentos da parte mais consciente dela, a que tinha 20 anos em 1964 - 20 anos como data simbólica, rito de passagem), creio que, apesar de seus equívocos, foi uma das mais generosas da História do Brasil. Não falo por mim. Falo pelos outros.

Sucesso? No modelo capitalista e mercantil, sucesso é ganhar muito dinheiro, mesmo às custas do sofrimento alheio, ter cartão de crédito polpudo e, muitas vezes, ser asperamente individualista, cruel e puxar o tapete alheio para subir.

Isso é “vitória”.

Vitória? Não há derrota humana maior que essa.

Quem conhece a gênese da UnB, fundada por Darcy e outros grandes brasileiros, perceberá que não houve projeto de universidade mais generoso, altamente capacitado, ecumênico, autêntico e profundamente enraizado nos sonhos maiores do povo brasileiro.

Não conheço projeto de universidade tão integral (“universal” mesmo) em nossa América Latina.

Lógico: o “chega-pra-lá” dado na gente pelos golpistas de 64 devastou o sonho.

Voltando do exílio, depois de anos de anos de conquistas internas, mas de muito sofrimento, Darcy diria que “sua filha (a UnB) havia caído na vida”.

Se ela caiu na vida, não caiu sozinha.

A degradação da universidade brasileira foi ampla, total e irrestrita.

Sem exagero, o nosso curso clássico (segundo grau) com os jesuítas, era infinitamente mais profundo e melhor do que alguns cursos de pós-graduação.

O que acaba com a autoestima de um povo é a falta de conhecimento e a ignorância.

Além da falta de fibra.

Infelizmente, as pessoas têm lido muito pouco.

A violência banalizada em todos os lugares, nas escolas, o império do tráfico, a falência da comunicação entre pais e filhos, o sonho de ser modelo ou atriz de TV, vai gerando uma sociedade de sonâmbulos morais. Ah, querido Darcy. Se todos os brasileiros “fracassassem” como o tu, o Brasil seria melhor.


Emanuel Medeiros Vieira
Escritor

Manchete

Quem conhece a gênese da UnB, fundada por Darcy e outros grandes brasileiros, perceberá que não houve projeto de universidade mais generoso, altamente capacitado, ecumênico, autêntico e profundamente enraizado nos sonhos maiores do povo brasileiro.


Postado

5.junho | 2018 | Emanuel Medeiros Vieira


Tags

artigo; opinião


Imprimir


Compartilhar


O conteúdo dos artigos assinados é de responsabilidade dos autores.

Filiar-se

Newsletter

(48) 99944.0103 (WhatsApp)
(48) 3234.2844 e 3234.5216 (Max & Flora)
(48) 3721.9425 e 3234.3187 (Campus Trindade)
(47) 3027.7992 (Joinville)
(49) 3241.4181 (Curitibanos)
(48) 3524.0228 (Araranguá)

© APUFSC Sindical

Designed & Created by: Hupx Tecnologia Powered by: Dynamicweb